Associação Brasileira de Limnologia

A Sociedade Brasileira de Limnologia foi fundada em julho de 1982 durante Reunião Anual da SBPC na cidade de Campinas (SP) com nome de fantasia “SBL” e a partir de 18 de agosto de 2010 foi refundada com o nome de Associação Brasileira Limnologia (nome de fantasia: ABLimno), para adequação à legislação vigente.

O Objetivo central da ABLimno é promover o desenvolvimento da Limnologia Brasileira.

Breve histórico da ABLimno (continuidade da SBL)

A década de 1980 foi caracterizada pela intensa participação das sociedades cientificas no cenário científico, político e social do país. Não raramente, neste período, as sociedades cientificas chegavam a interferir em políticas publicas de abrangência nacional, além do papel muito relevante no movimento social que culminou com a redemocratização do Brasil.

Paralelamente, surgiam no país os primeiros centros de desenvolvimento de pesquisas em Limnologia com participação de cientista brasileiros, formados no exterior e que voltavam para o Brasil ou por cientistas formados no Brasil. Surgiam as primeiras “escolas brasileiras de Limnologia”. Entre estas merecem destaque os grupos de limnólogos das seguintes universidades: Universidade Federal de São Carlos, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, da Universidade de Brasília e do Instituto Nacional da Amazônia.

Assim, era evidente a necessidade da criação de uma sociedade cientifica capaz de aglutinar os cientistas brasileiros visando à busca de mecanismos acadêmicos e políticos para a promoção da ciência “Limnologia”.

Ciente da grande importância da criação de uma sociedade cientifica para o desenvolvimento da Limnologia brasileira, os limnólogos Francisco de Assis Esteves e Francisco Antonio Rodrigues Barbosa, respectivamente professor da Universidade Federal de São Carlos e doutorando em Limnologia desta universidade e professor da Universidade Federal de Minas Gerais, eram de opinião de que a criação de uma sociedade cientifica seria um importante instrumento para proporcionar o desenvolvimento da Limnologia brasileira e consequentemente para aumentar o número de profissionais na área. Defendendo a ideia de criação de uma sociedade cientifica na área de Limnologia estes limnologos, com recursos próprios, contrataram um advogado da cidade de São Carlos para ajudar na redação do primeiro estatuto e nos tramites de registro da futura Sociedade Brasileira de Limnologia (SBL).

Assim com a participação de alguns dos limnólogos pioneiros foi constituída a primeira diretoria, condição legal para a criação da SBL:

  • José Galizia Tundisi – Presidente
  • Francisco A. Rodrigues Barbosa – Vice Presidente
  • Francisco de Assis Esteves – Primeiro Secretário
  • Mirna J. G. Orlandi – Segundo Secretário
  • Kozo Hino – Primeiro Tesoureiro (falecido em 1988)
  • Raoul Henry – Segundo Tesoureiro

Na cidade de São Carlos, SP foram feitos todos os tramites acadêmicos e jurídicos para a criação da SBL, no entanto foi em Campinas, SP durante uma reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciencia (SBPC) na presença de 24 limnólogos que a SBL foi fundada.

Objetivo

Promover o desenvolvimento da Limnologia além de congregar os profissionais das áreas de limnologia, hidrobiologia ou ecologia aquática atuantes no Brasil não esquecendo ainda daqueles profissionais ligados às inúmeras áreas de interface tais como as geociências, as engenharias e as ciências humanas e sociais que tenham alguma ligação com a conservação e gestão de recursos hídricos.

Atividades da SBL
(presentemente ABLimno)

  1. Edição do principal jornal científico na área de Limnologia no Brasil, a Acta Limnologica Brasiliensia.
  2. Edição do Boletim da SBL, voltado para a divulgação de notícias de interesse junto comunidade de limnólogos brasileiros.
  3. Edição da série Limnotemas, publicação periódica voltada à difusão do conhecimento limnológico principalmente de revisões bibliográficas ou novas metodologias.
  4. Manutenção do portal da SBL.
  5. Apoio a eventos científicos, dentre eles os congressos brasileiros de Limnologia que ocorrem a cada dois anos.
  6. Hoje, a SBL persegue novas metas voltadas para uma maior inserção dos limnólogos junto aos grandes temas nacionais ligados à gestão dos recursos hídricos; têm atuado também intensivamente no sentido de ampliar e estreitar as relações internacionais associando os limnólogos nacionais com profissionais afins,seja na América Latina bem como em outros continentes.

Simpósio sobre Ciclagem de Nutrientes em Ecossistemas Aquáticos e Terrestres

Criada a SBL, era necessária torná-la estruturada e conhecida junto à sociedade cientifica brasileira. As primeiras iniciativas neste sentido foram empreendidas pelo Primeiro Secretário, o limnólogo Francisco de Assis Esteves, que coordenou, em colaboração com a pesquisadora em Botânica da Universidade de São Paulo Marico Meguro, o “Simpósio sobre Ciclagem de Nutrientes em Ecossistemas Aquáticos e Terrestres”. Este evento, realizado de 2 a 5 de setembro de 1985 foi a primeira iniciativa da SBL. Para a sua organização, a SBL não dispunha de recursos financeiros. Deve ser lembrado de que naquela época o número de sócios era praticamente o mesmo do período de sua fundação, ou seja, não mais de 20 sócios.

No entanto, o entusiasmo do Primeiro Secretário e de quatro de seus estagiários (Fabio Roland, Marina Suzuki, Reinaldo Luiz Bozelli e Sidinei Magela Tomaz), organizadores principais do evento, era muito grande. A sede do simpósio seria a Universidade Federal de São de Carlos. No entanto, uma greve de servidores desta universidade deflagrada três dias antes do inicio do simpósio inviabilizou a realização do Simpósio em seu Campus e o mesmo foi transferido para o auditório do SENAC de São Carlos.

No Simpósio sobre Ciclagem de Nutrientes em Ecossistemas Aquáticos e Terrestres” ficou evidente a potencialidade da SBL. Neste evento, estava sendo aguardado cerca de 50 participantes, no entanto compareceram cerca de 300, sendo que a maioria era constituída de limnólogos. Esta grande frequência motivou os limnólogos Francisco Antonio Rodrigues Barbosa e Paulina Maia Barbosa a organizar o I Congresso Brasileiro de Limnologia em Belo Horizonte no ano de 1986.

Diante do enorme sucesso do Simpósio sobre “Ciclagem de Nutrientes em Ecossistemas Aquáticos e Terrestres” e da qualidade dos trabalhos e mesas redondas apresentadas neste evento, o Primeiro Secretário Francisco de Assis Esteves colocou em prática um antigo sonho: produzir na SBL um seriado no modelo do antigo seriado alemão “Die Binnengewaesser” criado no inicio do século XX pelo limnólogo alemão August Thienemann. Segundo a proposta inicial, esta publicação iria envolver temas relevantes de interesse da Limnologia Brasileira em forma de um seriado, ou seja, sem uma periodicidade determinada.

A ideia foi aprovada pela diretoria (na reunião, presente apenas o primeiro secretário e o tesoureiro limnólogo Kozo Hino). A próxima etapa seria conceber um nome para o seriado. Dentre os vários apresentados e avaliados, ficou decidido que seria “Acta Limnologica Brasilis”. No entanto, uma breve consulta a um professor de latim da Universidade Federal de São Carlos mostrou que a palavra Brasilis, embora soasse muito bem, não poderia, por questões semânticas, ser adotada e o nome “brasiliensia” foi adotado por recomendação do professor de latim .

Acta Limnologica Brasiliensia

Diante do enorme sucesso do Simpósio sobre “Ciclagem de Nutrientes em Ecossistemas Aquáticos e Terrestres” e da qualidade dos trabalhos e mesas redondas apresentadas neste evento, o Primeiro Secretário Francisco de Assis Esteves colocou em prática um antigo sonho: produzir na SBL um seriado no modelo do antigo seriado alemão “Die Binnengewaesser” criado no inicio do século XX pelo limnólogo alemão August Thienemann. Segundo a proposta inicial, esta publicação iria envolver temas relevantes de interesse da Limnologia Brasileira em forma de um seriado, ou seja, sem uma periodicidade determinada.

A ideia foi aprovada pela diretoria (na reunião, presente apenas o primeiro secretário e o tesoureiro limnólogo Kozo Hino). A próxima etapa seria conceber um nome para o seriado. Dentre os vários apresentados e avaliados, ficou decidido que seria “Acta Limnologica Brasilis”. No entanto, uma breve consulta a um professor de latim da Universidade Federal de São Carlos mostrou que a palavra Brasilis, embora soasse muito bem, não poderia, por questões semânticas, ser adotada e o nome “brasiliensia” foi adotado por recomendação do professor de latim .

Fale conosco

Universidade Estadual Paulista
Avenida 24-A, 1515
CEP 13560-900, Bela Vista
Rio Claro – SP
+55 (16) 0000-0000
contato@ablimno.com.br

Fique por dentro